Conversas d'amor

Ele olhava-a a dançar enquanto degustava lentamente a bebida gelada. Ela, apercebendo-se, vem na direcção dele com um sorriso indisfarçável.

Ela: ... eu não te posso dar o que queres!
Ele (sorrindo agora): e eu não quero o que me podes dar...

Ele afastou-se lentamente e foi dançar algo providencial. Ela, que ainda não perdera o sorriso, ficou a vê-lo a dançar. A música era esta!





P.S Este post está programado para as 2:30. Estarei na noite, um facto; só não sei se a beber uma bebida gelada se a dançar...

20 comentários :: Conversas d'amor

  1. Nussa, imagine então as conversas de ódio desse casal como sao...

    Saudades de você :=)

  2. C: a dedução é tua; eu não disse que eles eram um casal! ;)

    Eu também tinha saudades tuas; vim aqui a correr, logo passo pela tua "casa" para ler e comentar. :)

    Beijos

    P.S. Estou no Algarve, conheces? Foram só 5 dias para manter o bronze aproveitando dois feriados. O tempo hoje está estranho; algum vento, céu cinzento mas muito calor. Ok! Hoje almoço na piscina enquanto vou acordando... escrevo de óculos escuros. Eu sei... "sou louco, não tomo a medicação"! :D

  3. Hehe! Boa resposta a dele!
    Então e esse bronze como vai? ;)

  4. Lídia: a resposta dele era a única possível! ;)
    O bronze está óptimo, agora tenho duas marcas... relógio num pulso (só o tiro para dormir), pulseira no outro (não, não é de santos nem de curas! :D). Ok! Tenho outra marca pois não pratico nudismo, mas não tenho nada contra! :)
    Vou agora comer uma salada e um sumo natural! És servida?

    Beijos

  5. Aprendiz, para mim isso só pode ser a diferença de idades e interesses, que culminam com uma diferença de mentalidades. Nestes casos a dança raramente acaba por ser a dois. beijo

  6. Resposta inteligente!

    =P

    A verdade é que mesmo assim ela não deixou de lhe sorrir (de o seduzir!?).

    beijinho*

  7. Ah! O sorriso sempre diz mais que uma frase inteira. Ao menos nesse caso! :)
    Gostei do que escreveu Mona Lisa! :)

  8. Olá!
    Muito obrigada pela visita aos universosquestionáveis.
    deixo aqui um sorriso

  9. Conversas desencontradas, talvez seja mais isso, mais ao género de ondas de frequência diferentes....ele devia ter tido algo assim: ...talvez porque não o tenhas, será?????

    De qualquer maneira não posso deixar de comentar que esse carrinho que aparece aqui no teu post é o meu sonho em 4 rodas, ando fartinha de falar nele ao meu Txugo, só custa 600.000,00 euros...isso é que me arranca cá um suspiro!!!

    Beijocas e boas danças ;)

  10. Ou então ela deu o que tu querias e fui uma bela noite :-)
    Belo blog que aqui tens, parabéns, bonita a leitura e a tua escrita.
    Abraços,
    Nuno

  11. Lisa: hmmm... e eles davam por isso tudo no lusco-fusco?... ou seria antes no luso fuso? ;)

    Sim, sim, poderiam ser muitas as diferenças: idade, social, religiosa, racial, cultural, etc.

    Contudo, vou repescar o que uma vez comentei num post teu sobre olhares devido às analogias: ;)

    "Olhares possíveis... basta um oceano entre eles e resta a voz o que é, convenhamos, muito pouco para ler um olhar.
    Mas isso de ler a alma nos olhos, deixa-me que te diga, só na cabeça de uma mulher; nada como o esoterismo! :) E o bluff? E os cegos? E a paralisia facial? :D
    Toda a expressão facial é importante, contudo focamos na cara os olhos para nos certificarmos que é connosco que eles falam; mas o todo é importante... até as rugas de expressão.
    Troca de olhares é outra coisa; pode ser química se for "cio", nada demais, aí só confirmas nos olhos do outro se este sente o mesmo que tu sentes (não querendo ser vulgar, acho que a palavra adequada é "tesão" embora muitos lhe chamem química por prurido); pode ser admiração (alguém estar deleitado com o assunto falado por outro); pode ainda ser espanto (a surpresa e o exótico podem provocar essa sensação); pode servir para picar um terceiro que se aperceba desses olhares; pode, afinal, ser tudo e nada.
    Nós temos tendência para olhar os olhos dos outros para nos posicionarmos. Basta entrares num espaço que tenha outras pessoas para ires olhando para as pessoas e, assim, para os seus olhos. Entrar num espaço a direito... só de bengala branca!
    Alonguei-me demais e espero não ter ferido susceptibilidades."

    Assim, depende se era o primeiro olhar... ou não! ;)

    Para rematar; as diferenças complementam-se, até na diferença de idades; a segurança/experiência de um (o/a mais velho) e a energia/insatisfação de outro (o/a mais novo) podem ser o cocktail perfeito! Quem sabe? Deixa ver... muitos! :D

    Beijo


    P.S. mas a tua perspectiva está, no geral, correcta. Dançar o tango sozinho deve ser horrível! :)

  12. flor: ahhhhhhh! Foi? ;) Pois não, quem sabe o que se terá passado?
    Se eu os conhecesse contava, mas a ficção é muito mais fácil do que a realidade. :)

    Beijinhos

  13. Teia: o não dito, por ser subliminar, é muito mais interessante do que a comunicação oral. E quando leitura desses sinais, que são linguagem, é perfeita e interessada... the sky is the limit! ;)

    Eu gosto sempre do que escreve a Lisa, muito! :)

    Beijos

  14. Carla: e para ti outro. Deixa-me ir buscar uma bebida... :)

    Beijos

  15. Karochinha: porque não, talvez tenhas razão! "Porque será?"... e aí ele teria uma resposta, pois fez uma pergunta! Seria isso que ele queria? :)

    Beeeeemmmm... o carrinho dos teus sonhos; "porra", o Txugo vai ter de se esfalfar muito, tens gostos caros... só um bocadinho, ok, "um nadinha caros". :D
    Quem não adora belas máquinas? Ok! Sei que muitos dirão que é supérfluo, que vivem sem isto, etc. ... têm razão, mas que alegra a vista e a vida de alguns, alegra! :D
    Aqui, a intenção era sobrelevar a "música" desse tal Iglésias... este é um remix fantástico e "altamente" dançável! Believe me!

    Beijos

  16. Nuno: ela deu-me o que eu queria e tu foste uma boa noite?!! Calma, vamos por partes... às vezes uma vogal pode fazer toda a diferença e de um "o" a um "u" vão muitas letras! Ok! Querias dizer "foi"... mas não faço "puto ideia", a ficção é minha mas a realidade deve ser de outros.
    A tua solução talvez seja a mais perfeita, pois é nos desencontros que se constróiem vontades! ;)

    Abraço e volta sempre

  17. "Para rematar; as diferenças complementam-se".

    Às vezes:) Isso é como dizer que os opostos se atraem sempre. Nem sempre. As diferenças complementam-se desde que a discrepância não seja muito grande, aí sim pode haver alguma complementaridade. Caso contrário, por maior que seja a energia de um e por muito estimulante que seja o cocktail, nada feito. Mas sim, percebo a tua ideia. No fundo estamos a falar do mesmo, mas usando palavras diferentes:)
    beijos

  18. Lisa: estamos? Sim, estamos!
    Claro que tens razão quanto às idades, eu falava nas excepções. Como deves concordar, há pessoas que nascem em gerações diferentes e são almas gémeas, contudo será difícil a harmonia pois há muitas limitações para além das compatibilidades.
    Beijos

  19. Mas homem, tu colocou ali no texto ´ele` e ´ela`, então isso é o que? hoho

  20. C: hahahahaha! Em Portugal usamos "casal" para referir duas pessoas casadas. Sei que se pode generalizar como se faz no Brasil... as nossas línguas têm pequenas diferenças que fazem toda a diferença! :)
    Beijo

Enviar um comentário

Não desistas à primeira! Escolhe o perfil e, antes de enviares o comentário, faz "copy" do que escreveste. Podes ter de dar mais de um ok. Não é maldade, antes ignorância deste blogue... Seria uma pena não aprender contigo! :)